Angioplastia sem o uso de Contraste – Junho/2013

O uso de contraste iodado tem sido um dos pricipais problemas a serem enfrentados em procedimentos endovasculares (por cateter), dado ao risco de agressão aos rins inerente a estas substâncias, sendo o risco de insuficiência renal aguda maior nos diabéticos e indivíduos com elevação da creatinina sérica. Com o avançar da idade, um porcentual cada vez maior de paciente se enquadra neste grupo de risco, o que limita a aplicação de técnicas endovasculares. Entretanto, o avanços dos métodos de imagem, o desenvolvimento da anestesia e a evolução das técnicas endovasculares permitiram oferecer opções terapêuticas com segurança para uma parcela maior de pacientes portadores de doenças vasculares.
Dr. Marden Spíndola, especialista em Ecografia Vascular explica que os procedimentos guiados por ultrassonografia podem ser aplicados no tratamento de diversas doenças vasculares, em pacientes portadores de condições desafiadoras, tais como insuficiência renal e alergia ao meio de contraste. Entre as indicações podemos citar o implante de filtro de veia cava, correção de aneurismas e pseudoaneurismas, doença arterial obliterativa e varizes dos membros inferiores. Dr. Marden lembrou ainda que para realizar o procedimento é necessária uma avaliação pré-operatória minuciosa obtidas através da ultrassonografia vascular. “O potencial para estes procedimentos é imenso, porém demanda que os envolvidos tenham experiência em sua realização”.As vantagens da ecografia estão relacionadas a não utilização ou a utilização mínima de contrastes e fluroscopia, diminuição do risco de hematoma durante a punção, avaliação imediata do fluxo no local tratado e demais seguimentos, detectando dissecções, estenoses residuais e tromboembolia distal.
No 17 de Abril de 2013, Foi realizado em Alagoas a primeira angioplastia com implante de stent de artéria femoral guiado por ultra-som, em paciente de 78 anos que apresentava dor isquêmica importante no membro inferior esquerdo. Através da ultrassonografia vascular a estenose foi localizada na transição da artéria femoral comum para superficial, quando foi realizado as medidas dos diâmetros destes vasos e da comprimento da estenose, permitindo a escolha do tamanho do balão e do stent a ser utilizado.
A indicação da utilização de ultrassonografia neste caso clínico, foi evitar o uso de contraste, já que os exames de laboratório mostravam dosagem de creatinina de 1,8 mg/dL, mesmo após tratamento clínico e orientações do nefrologista. Há um ano, o mesmo paciente apresentou piora grave da função renal após uso de contraste iodado, com creatinina alcançando 2,4 mg/dL.
“Com ajuda da ultrassonografia, realizamos a angioplastia com implante do stent na localização adequada e imediatamente após, checarmos a melhora do fluxo sanguíneo ao longo do membro inferior” esclareceu Dr. Márcio Medeiros. Assim pode ser visto (ver fotos antes e após a angioplastia) uma imensa melhora do fluxo nas artérias, que passaram de fluxo monofásico (padrão isquemia ao Doppler) para fluxo trifásico (padrão normal de fluxo ao Doppler).

Coluna Antes

Coluna Depois

img01-1 img01-2
img01-1 img01-2
img01-1 img01-2
img01-1 img01-2

O paciente seguiu para o apartamento depois da angioplastia e recebeu alta hospitalar no dia seguinte, sem qualquer intercorrência.
A realização deste inovação técnica pela equipe de Radiologia Intervencionista e Cirurgia Endovascular do Hospital do Coração de Alagoas é um procedimento atualmente realizado em poucos Centros Especializados no Brasil e do Mundo.