Coarctação com Estenose Sub-Oclusiva Aórtica Associado a Aneurisma Sacular

Introdução

A coarctação da aorta localiza-se mais frequentemente distal à artéria subclávia esquerda. Em geral é diagnosticada e tratada na infância. A presença desta patologia em adultos não submetidos à correção cirúrgica leva a frequente ocorrência de hipertensão arterial sistêmica, assim como apresenta risco aumentado de manifestações clínicas variadas.

Objetivo

Relatar um caso de coarctação de aorta associado a dilatação aneurismática sacular em paciente adulto assintomático, descoberto através de um exame de rotina.

Relato de caso

Paciente do sexo masculino de 42 anos, hipertenso, sem outra comorbidade, encaminhado ao ambulatório de cirurgia endovascular com diagnóstico de coarctação de aorta, descoberto numa investigação de rotina através do ecocardiograma. Ao exame físico apresentava pressão arterial discrepante entre os membros superiores e em uso irregular de medicação. Realizou uma arteriografia de arco aórtico que evidenciou aorta ascendente e croça um pouco dilatada, notando-se sub-oclusão ao nível da artéria subclávia esquerda com mínima passagem de contraste, além de um grande aneurisma sacular pós-estenose, com aorta descendente em segmento médio e distal de aspecto normal. Foi então realizada a angioplastia com implante de stent recoberto na área da coarctação sob-oclusiva, com posterior posicionamento de endoprótese.


Discussão

O tratamento cirúrgico é indicado para pacientes com falência cardíaca na primeira infância e em pacientes adultos com diagnóstico tardio. Com o intuito de diminuir a mortalidade e morbidade deste procedimento a angioplastia com balão + posicionamento de stent, vêm ganhando bastante espaço, diminuindo também as taxas de re-estenoses.

Conclusão

O tratamento endovascular da coarctação de aorta com o advento dos stents revestidos têm diminuído a incidência de reestenoses, além da prevenção da formação de aneurismas e dissecções.
 

Referências Bibliográficas

  1. Tinoco, E. C. A.; Botelho, A. C.; Luquini, B. B.; Campanha, R. L.; Nascimento, M.; Horta, L. A.; Sueth, D. M.; Pena, F. M.; Teixeira, L. R. M. Tratamento endovascular em paciente portador de coarctação da aorta: relato de caso. JVascBras2007,Vol.6,No1.
  2. Neves, J.; Fraga, V.; Silva, R.; Pilla, C. B.; Esteves, C. A.; Braga, S. L. N.; Nunes, G.; Fontes, V. F.; Pedra, C. A. C. Uso de Stents no Tratamento da Coarctação da Aorta. Rev Bras Cardiol Invas 2005; 13(3): 153-166.
  3. Kaemmerer H. Aortic coarctation and interrupted aortic arch. In: Gatzoulis MA, Webb GD, Daubeney PEF, editors. Diagnosis and management of adult congenital heart disease. Edin- burgh: Churchill Livingstone;2003. p.253-64.
  4. Jatene, M. B.; Abuchaim, D. C. S.; Junior, J. L. O.; Riso, A.; Tamamati, C.; Miura, N.; Lopes, A. A.; Marcial, M. L. B. Resultados do tratamento cirúrgico da coarctação de aorta em adultos. Rev Bras Cir Cardiovasc 2009; 24(3): 346-353.
  5. TyagiS,SinghS,MukhopadhyayS,KaulUA.Self-andballoon- expandable stent implantation for severe native coarctation of aorta in adults. Am Heart J. 2003;146(5):920-8.
  6. Pihkala J, Thyagarajan GK, Taylor GP, Nykanen D, Benson LN. The effect of implantation of aortic stents on compliance and blood flow. An experimental study in pigs. Cardiol Young 2001;11:173-81.
  7. Mullen MJ. Coarctation of the aorta in adults: do we need surgeons? Heart 2003;89:3-5.