Qual o porquê do número excessivo de histerectomias para tratamento de miomas? (Parte 02)

Atualmente a miomectomia e a embolização são técnicas efetivas e amplamente aceitas para o tratamento de miomas, sendo tratamentos que conservam o útero.
Antes de responder a esta questão é importante esclarecer que o tratamento por embolização é defendido como método de tratamento que preserva o útero por todas as sociedades de ginecologia ao redor do mundo. Inclusive a Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia publicou em 2011 manual especialmente dedicado a mostrar as indicações da embolização para o tratamento de miomas. Confira em https://marciomedeiros-al.com.br/2017/04/manual-de-orientação-cirurgia-endovascular-em-ginecologia-e-obstetricia/
Como a embolização é um método de tratamento validado e cientificamente comprovado como efetivo no tratamento dos miomas, é obrigação dos cirurgiões e ginecologistas oferecerem também esta forma de tratamento aos pacientes que possam se beneficiar da embolização. A atitude do médico de omitir todas as possibilidades de tratamento, incorre em falha ética, podendo acarretar implicações medico-legais.